Mãe de aluno ameaça matar diretora após desaparecimento em escola do Paraná (VÍDEO)



Um caso assustador de violência foi registrado em uma escola de Ponta Grossa, no interior do Paraná. Inconformada com o desaparecimento do filho, aluno da instituição, uma mãe tirou uma faca da bolsa e ameaçou matar a diretora da escola. O flagrante foi filmado por uma funcionária, que estava na sala onde aconteceu toda a discussão, que aconteceu no último dia 24.
“Se meu filho não aparecer, eu te mato!”, disse Cintia Ferreira da Silva, mãe do estudante de 9 anos, até aquele momento desaparecido. Ela ainda bate na mesa e derruba dois armários com material escolar. A mãe acabou presa pela Polícia Militar por ameaça, desacato e danos ao patrimônio público, segundo o jornal Gazeta do Povo
O desaparecimento do filho de Cintia e outro aluno, que tem problemas mentais, aconteceu na hora do recreio. Inconformada, a mãe foi até a diretoria e, segundo a versão dela, acabou ouvindo desaforos da diretora da escola. “Ela disse que o meu filho não era um bom aluno e que deveria desaparecer”, afirmou à reportagem da RPC TV.
Segundo o que foi apurado até o momento, os dois alunos do quarto ano saíram por uma abertura em uma grade ao redor da escola, fruto de vandalismo. As crianças foram encontradas por volta das 23h do mesmo dia, sujas e assustadas. De acordo com testemunhas, elas saíram da escola para brincar de bola e se perderam em um matagal.
A Secretaria Municipal de Educação de Ponta Grossa informou que a diretora foi afastada temporariamente, até o fim das investigações internas sobre o caso. A informação foi publicada pelo G1. Quanto à mãe que teve um surto de violência, ela já foi solta e garantiu que não se arrepende de nada. “Eu entrei e fui pra cima dela. Cadê a responsabilidade da escola? Não me arrependo nem um pouco”, comentou.
O advogado de Cintia afirmou que a faca estava na bolsa dela porque a mãe “tinha levado para afiar”, e não por premeditar uma ameaça contra a diretora da escola.

O “VEM PRA RUA” DEFINE O QUE VAI PEDIR NO DIA 12 DE ABRIL: “FORA DILMA!”

dilma fora

O “Vem Pra Rua”, um dos maiores movimentos que convocaram a megamanifestação nacional do dia 15 de março, acaba de adotar uma palavra de ordem clara e sem ambiguidades: “Fora Dilma”. É o que se ouvirá em uníssono no novo protesto, marcado para o dia 12 de abril. A expectativa dos organizadores é que o evento se repita em todas as capitais e se espalhe por um número ainda maior de cidades.
Até havia pouco, o “Vem Pra Rua” chamava os brasileiros a expressar publicamente a sua insatisfação, acusava as lambanças do governo e do PT, mobilizava a população contra a corrupção desabrida, mas não dava especial relevo à reivindicação para que Dilma deixe a Presidência. O que se avalia é que a dinâmica na rua e o encadeamento dos fatos impõem o lema aglutinador. O grupo acha que a presidente tem de deixar o cargo, dentro dos rigores da lei, seja por renúncia — e esse é um ato unilateral —, seja por cassação, seja pelo caminho do impeachment.
Conversei há pouco com Rogério Chequer, um dos coordenadores do movimento, e ele explica por que adotar o “Fora Dilma”: “Sempre dissemos que temos consciência de que não somos representantes do povo legitimados por eleições, mas acabamos nos tornando porta-vozes e catalizadores de uma insatisfação clara, de milhões de pessoas. E as bases querem o ‘Fora Dilma’ porque entendem que há motivos para tanto.”
Só isso? Não! O “Vem pra Rua” entende ainda que a forma como o governo vem atuando para firmar os acordos de leniência com as empresas acaba interferindo no processo de investigação, podendo caracterizar a interferência do Poder Executivo no Poder Judiciário e preparar o terreno para a impunidade.
Chequer explica: “Queremos também chamar a atenção para o fato de que, quando menos, Dilma tem de ser investigada. O deputado Raúl Jungman (PPS-PE) já entrou com este pleito no Supremo, e o ministro Teori Zavascki pediu que Rodrigo Janot, procurador-geral da República, se manifeste a respeito. A Constituição não impede que a presidente seja investigada. Até porque a investigação de atos cometidos antes do exercício do seu mandato pode remeter a questões que se deram no curso do mandato. Consideramos a investigação imperiosa”.
Pergunto a Chequer se ele não teme que o “Fora Dilma” se confunda com uma radicalização do movimento de rua. Ele responde: “Não tem radicalização nenhuma. Vamos ser claros: foi o que as ruas pediram já no dia 15 de março, num clima de ordem e respeito às instituições. Nós estamos dizendo ‘Fora Dilma’ porque temos uma Constituição e uma lei que tratam da possibilidade. Pode haver divergência sobre se há ou não motivos, mas é absurdo falar em radicalização ou golpismo quando se cobra o império da Constituição e das leis”.
E Chequer acrescenta: “O nosso movimento se chama ‘Vem pra Rua”, e a voz da rua é uma só: ‘Fora Dilma!’”.
Por Reinaldo Azevedo

Veja o que faz grupo terrorista brasileiro (MST)

Foto de Aldo Fernando Madeira.
Foto de Aldo Fernando Madeira.
Foto de Aldo Fernando Madeira.
Foto de Aldo Fernando Madeira.

Foto de Aldo Fernando Madeira.

Menina síria se rende ao confundir câmera fotográfica com uma arma. Crianças são marcadas desde muito jovens pela violência no país

Um fotógrafo capturou nesta sexta-feira (27), na Síria, a imagem de uma criança que se rendeu em frente sua câmera. Segundo informações do site Huffington Post, a pequena levantou os braços ao confundir a câmera com um rifle.
O fotógrafo que registrou a imagem queria retratar a realidade das crianças sírias, e não imaginou que a menina iria pensar que ele estava apontando uma arma para ela.

ROUBO DE CARGAS E A CONTRIBUIÇÃO DO EX

Qualicorp: As asas de Lula

                                             Lula: de carreira, não 


Por Lauro Jardim - Veja Online

As viagens de Lula pelo Brasil, seja para o Rio de Janeiro, seja para Brasília, não têm sido em voos de carreira.
José Seripieri Junior, dono da Qualicorp, colocou à disposição de Lula seu Cessna 680, um jato de dois motores capaz de transportar nove passageiros com conforto.
Junior tem sido um amigo generoso para Lula. Também foi na casa dele, em Angra dos Reis, que o ex-presidente passou o Réveillon. (leia mais aqui )

Por Lauro Jardim