MARINA E DILMA SÃO BRAÇOS DO MESMO CORPO



por Percival Puggina. Artigo publicado em 

Como cidadão que acompanha o movimento na esquina desta eleição, permitam-me enviar um conselho ao candidato Aécio Neves. Meu caro Aécio, ou você faz como era usual na minha Santana do Livramento dos anos 50 e dá um risco com o pé no chão, estabelecendo os limites do seu campo político, definindo qual é o seu lado e o que ele significa, ou vai beber água suja nessa eleição. O senhor enfrenta neste pleito duas adversárias com posições radicais e elas não podem ser enfrentadas com luvas de pelica e punhos de renda, como já disse alguém.
O programa de governo assumido por dona Marina Silva tratou de deixar claro que também é favorável à ideia contida no "decreto dos sovietes", ou seja, que irá amarrar as decisões políticas e a gestão pública aos pareceres dos movimentos sociais. Alguns se surpreenderam com isso. No entanto, a candidata do PSB entrou na disputa riscando o chão, explicitando o seu quadrado. E por isso, crescendo. O PSDB de Aécio Neves tem, no próprio programa que é favorável ao parlamentarismo, muito mais a dizer sobre mudanças institucionais. Tem muito maior contribuição a oferecer para sustar a marcha da democracia brasileira para os braços de um projeto totalitário.
Ao assumir compromisso programático com os conselhos populares, assim como ao negar contato com o PSDB em São Paulo, Marina Silva deixa claro que ela e Dilma têm um inimigo comum. Ou seja, têm um inimigo que está acima das atuais diferenças de projeto político. Por quê? Porque ambas vão na mesma direção. Ou esquecemos o jogo pesado de Dilma para implantar o seu projeto de Código Florestal? O verde de Marina e de Dilma é vermelho por dentro.
A democracia popular, que está na base filosófica do projeto dos sovietes, se distingue da "democracia burguesa" ou liberal, deu nome a várias repúblicas comunistas da Ásia e do Leste Europeu antes do desfazimento da URSS. A partir da observação histórica, democracia popular sempre equivaleu a "ditadura do proletariado". E ditadura do proletariado sempre foi pura e refinada ditadura das elites partidárias.
Não há, portanto, ilusões com as quais nos iludirmos. Marina e Dilma são galhos da mesma árvore, braços do mesmo corpo político. E se Aécio Neves persistir na conversa mole do melhorar o que está bem, ainda que acresça um "mudar o que está mal", verá o imenso contingente de eleitores liberais e conservadores bandearem-se em desalento para um dentre dois males. Se é que isso já não aconteceu._____________

* Percival Puggina (69) é arquiteto, empresário, escritor, titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, membro do grupo Pensar+.

  

4 comentários:

Veronica Ruzzi disse...

O PSDB tem por obrigação demonstrar aos berros se for necessário todos os podres que estes vagabundos fizeram nos últimos anos não esquecendo as manifestações promovidas pelos criminosos da REDE em Brasilia arrebentando as vidraças e colocando fogo no ITAMARATY.

Anônimo disse...

FARINHAS DO MESMO SACO!
REDE? SÓ SE FOR DE APANHAR IDIOTAS!
Essa muié tem o DNA comunista do PT, no Acre, como a conhecem bem, nas eleições ficou em 3º lugar.
Vá me dizer que não votaram nela sem motivo?
V acredita em boas intenções e promessas de comunistas?
Só se v acredita nas ideias do diabo; aí sim, estamos de acordo!

Paulo Luiz disse...

Comoção nacional.
Novamente a maioria dos brasileiros experimentou uma nova comoção nacional pela morte de um político. Vejam como a morte de Eduardo campos trouxe grande comoção e junto com ela um aumento considerável de intenção de votos para Marina Silva, a qual passou de vice, agora candidata a presidente.
Todos se lembram de Tancredo Neves, aquele que com sua morte causou grande comoção nacional, naquele momento Tancredo para o povo comovido, seria o melhor presidente que o Brasil teria em toda sua história. Deixem esta comoção tola de lado, pois Tancredo era um político comum, como tantos outros que infestam o congresso nacional, ele seria apenas mais um presidente a deixar o povo como sempre decepcionado.
Portanto não se empolgue com Marina Silva, ela é também farinha do mesmo saco, ainda com a agravante de ter sido militante petista. Deixem a comoção de lado e continue a analisar os candidatos de uma maneira coerente e com bom senso, para que não cometam erros na hora de votar. O Brasil precisa de voto consciente e não de voto contaminado com forte emoção.
Paulo Luiz Mendonça.

Paulo Luiz disse...

Comoção nacional.
Novamente a maioria dos brasileiros experimentou uma nova comoção nacional pela morte de um político. Vejam como a morte de Eduardo campos trouxe grande comoção e junto com ela um aumento considerável de intenção de votos para Marina Silva, a qual passou de vice, agora candidata a presidente.
Todos se lembram de Tancredo Neves, aquele que com sua morte causou grande comoção nacional, naquele momento Tancredo para o povo comovido, seria o melhor presidente que o Brasil teria em toda sua história. Deixem esta comoção tola de lado, pois Tancredo era um político comum, como tantos outros que infestam o congresso nacional, ele seria apenas mais um presidente a deixar o povo como sempre decepcionado.
Portanto não se empolgue com Marina Silva, ela é também farinha do mesmo saco, ainda com a agravante de ter sido militante petista. Deixem a comoção de lado e continue a analisar os candidatos de uma maneira coerente e com bom senso, para que não cometam erros na hora de votar. O Brasil precisa de voto consciente e não de voto contaminado com forte emoção.
Paulo Luiz Mendonça.