“Eu poderia estar matando, eu poderia estar roubando, mas estou aqui, fazendo política”


Escrevi na manhã desta terça, neste blog, que Dilma, ao partir para o esmagamento de Marina Silva, está mexendo com forças que não conhece. Volto ao tema agora e também tratarei do assunto na minha coluna na Folha, na sexta.
Marina, como vocês viram, ao negar que vá extinguir o Bolsa Família se eleita, evocou em um comício o tempo em que seus pais dividiam com oito filhos um ovo, um pouco de farinha e uns pedacinhos de cebola. A voz ficou embargada. Verdadeira ou mentirosa (creio que seja fato), a narrativa é eleitoralmente poderosa. A candidata do PSB vem de um povo de que Dilma só ouviu falar.
Nesta quarta, em conversa no Facebook, o “Face-do-Face”, a candidata do PSB à Presidência voltou a tocar no assunto. Ela se disse vítima de preconceito e afirmou: “Com minha origem social, tem que provar que é competente, que pensa, mas é isso aí…”.
Notem: quando escrevi aquele texto, não fiz juízo de valor, não. Só adverti para a bobagem que o PT (do ponto de vista de seus interesses) está fazendo. Esse discurso de Marina tem poder. E não, leitores amigos, eu não simpatizo com esse tipo de apelo, seja na boca de Marina ou na de Lula, outro que fez muita praça ao longo da história de suas agruras de infância.
Sempre que Lula vinha com esse chororô, eu me lembrava na caricatura do pedinte-assaltante: “Eu poderia estar matando, eu poderia estar roubando, mas estou, aqui, fazendo política…”. Honestidade, decência e bons propósitos não são monopólios de classe social. Alguém nascido em berço de ouro pode tê-los. Outro, vindo de uma manjedoura, pode ser um salafrário. Não existe uma relação necessária entre uma coisa e outra.
Ocorre que o PT está dando um boi danado para Marina Silva. Acostumado a combater o “outro” de classe — que, segundo a estupidez lulo-petista, é encarnado pelo PSDB (curiosamente, não pelo PMDB, pelo PP ou por qualquer outra coisa…) —, não percebe quem é Marina Silva e mete os pés pelos pés.
Por Reinaldo Azevedo

********************


Comentário: A maioria dos brasileiros descendem da pobreza. Quer dizer que se nascer pobre, necessariamente, precisa pensar em roubar ou matar? Acontece que essa Marina se entrega com suas frases do mal elaboradas sobre o  "coitadismo". 

Foi muito esperta em buscar o  espaço profissional. O marxismo é uma profissão super rendosa para poucos, pois leva à riqueza em curtíssimo tempo. Isto é, vendendo ilusão, intrigando as classes sociais, promovendo o ódio e rancor, com o único objetivo de chegar ao COFRE principal...

Nunca veremos na face da terra os pregadores do marxismo vivendo de forma modesta. São todos exigentes em usufruir das delícias da vida com muito recurso financeiro. A lei máxima sempre será, muita riqueza para si próprio, e manter sua corja de aduladores abastecida, como também, quebrar valores de prosperidade para  o povo, que deve repartir a miséria.   A imaginação "sonhática" dessa senhora é de que, do alto da sua linguagem esquizofrênica ela possa mudar o mundo... Não aguentamos mais gente com esse 
modus operanti:MOVCC

2 comentários:

Anônimo disse...

VOTOU EM CANDIDATOS COMUNISTAS, ALIOU-SE AOS MUÇULMANOS ASSASSINANDO OS CRISTÃOS!
Isso mesmo. Quando v vota num comunista, caso PT e PSB das vermelhas etc., por serem amigos dos muçulmanos e terem os mesmos ideais de destruirem a civilização cristã e Ocidental no mundo, v colabora nesse intuito, da auto destruição e cair sob um regime de fanáticos.
Por serem amigos e aliados, o governo brasileiro apoia o Hamas e nada faz contra a perseguição cristã no Iraque e Síria!
Em Londres, há bairros que já estão sob a “sharia” e os muçulmanos já investem contra cidadãos, particularmente mulheres e a policia de lá acuada!
A disputa atual não é entre democracia, ditadura e totalitarismo apenas, mas envolve toda a estrutura de uma civilização, pois o Islã, como o movimento comunista, são associados na destruição completa da civilização cristã ocidental, sabendo nós que apenas a civilização cristã dá perfeita coerência aos nossos valores de direitos individuais e direitos humanos na democracia e entre esses, predominam ditaduras fortemente opressoras e escravagistas.
O relativismo moral, ético e cultural do Ocidente e o multiculturalismo são frutos cabais da militância do suposto "Estado laico" pregado pelos comunistas – apenas aparencias, mas atuante ateu-militante, do politicamente correto – e por meio dessa pregação intelectual supostamente laica tem esvaziado o ético-moral cristão do Ocidente.
Assim, esse "Estado laico" relativizou os costumes gerais, sintonizando com os islâmicos a imporem sua sharia ou cortem clitóris de muçulmanas no continente europeu, sem o menor escândalo de governos democráticos e entidades de direitos humanos, nessa hora acuados…
Não se pode falar em sacralização da vida humana dentro do "Estado laico" que aprova o aborto, nem a proteção da família, dos "direitos" dos homossexuais e minorias, os quais estão sendo usados como idiotas-uteis sem darem por fé!

Anônimo disse...

A pessoa pode ser viado, sapatona, negro, negra todos os direitos são iguais perante Deus, já dizia Abrahan Lincoln, estas minoriam podem e devem ter o direito de escolha. So não podem esfregar na nossa cara querendo que a maioria siga suas ideias. O mundo esta ai para ser dividido por todos. Todos tem direito a liberdade de ir e vir, so não podem obrigar a pensar do jeitinho que pensam e fazer leis em cima de leis para alcançar privilégios. O fato de ser viado, puta, sapatona, preto ou preta não tem que ter privilégios tem que batalhar igual para ter os mesmos benefícios não pode esperar se esconder atraz de leis para forçar a maioria a aceitar suas formas de vida. O direito e para todos e o respeito também, agora não vai me dizer que e normar o gênero não saber que gênero possui se e rosca ou parafuso.