O Chile no governo de Salvador Allende também importou "médicos" da ilha, porém eles não usavam bisturi, usavam rifles.


ENVIADO A VÁRIOS JORNAIS

     Sr. ministro da saúde da República Bolivariana do Brasil ! Há uma semana a imprensa nacional anunciou que o seu governo vai contratar um exército de 6.000 "médicos" lá do museu de Fidel Castro. Inicialmente pensei tratar-se de uma piada de mau gosto mas, infelizmente, trata-se de uma verdade imoral como tudo parido por esse governo, porém real.

     Na condição de médico e cidadão brasileiro, contribuinte e pagador de seu alto salário, tenho o direito constitucional de lhe exigir uma explicação técnica para tamanha aberração. Queremos uma explicação que não envolva ideologia e muito menos incompetência ou pragmatismo. Queremos a verdade absoluta e não a verdade do valor prático em função dessa política suja, que é a tônica desse governo do qual o Sr. faz parte. Saiba que a tolerância da sociedade organizada, após ver nos atuais homens públicos tamanha falta de caráter, está próxima do limite 

     A falta de ética e de moral somadas à incompetência administrativa reinante no país atingiu nível intolerável. A sociedade exige respeito aos regulamentos e às leis. Nós não somos a Venezuela, não somos a Bolívia, não somos o Equador, não somos Cuba e os senhores, inclua-se aí o desmoralizado Itamaraty, não conseguirão transformar o Brasil em nenhum desses chiqueiros.

     Aproveito a oportunidade para solicitar do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais que comuniquem individualmente, através de mala direta, a todos os seus membros inscritos, uma posição oficial que esperamos seja de repúdio a essa imposição do Fórum de São Paulo, organização essa que tem com orador assíduo nosso venerável ministro da Justiça. Uma excrescência criada pelo exu de Garanhuns e a múmia do Caribe com a finalidade de articular a comunização do continente latino-americano.

     E agora um segredo, só para os dirigentes dos nossos órgãos de classe. Que ninguém ouça: Cuba, na miséria quase que absoluta, com uma população menor do que a da cidade de São Paulo, não produziria médicos em série a ponto de exportar em menos de dois anos 1 mil para a Venezuela e 6 mil para o Brasil. Para refrescar a memória dos mais antigos e para os que desconhecem, segue um fato relevante no atual contexto: o Chile no governo de Salvador Allende também importou "médicos" da ilha, porém eles não usavam bisturi, usavam rifles.
    
    Humberto de Luna Freire Filho - MÉDICO
    CREMESP  35.196  - CREMERJ 26.078 
    
    PS - Texto livre para quem quiser repassar ou publicar desde que mantenha os créditos.


2 comentários:

Flavio Souza disse...

Logicamente as intenções deste governo está clara na contratação desses médicos, é uma militância armada de ideias comunistas e pode eventualmente ser um pequeno exército que formará outros pelo país a fora para uma possível luta armada.

Vocês percebem com quem estão lidando? Disseram que a terrorista dilma vai decretar isso a força, ou seja, eles estão a ponto de tomar o país mesmo na base da força e esmagar de vez toda e qualquer oposição. Acredito que o plano deles é simples: Toma o Brasil de forma contundente que o resto da América do sul cairá como dominó e tudo será dominado pelo FSP, um governo único com apoio de China, Coréia do Norte e Rússia e todos os outros países que lutam para implantar o governo comunista mundial. Está todo acontecendo na nossa cara e qual a reação das pessoas? Ficar quieto e ir para a casa.

Paulo disse...

E segundo comentários, foram eles mesmo cubanos por motivos de interesse que teriam trucidado o próprio "companheiro" Allende...
Parece-se com o caso Celso Daniel, não é?
Uma é certa: confie tanto no diabo quanto nos comunistas: questão de opção pessoal!